quinta-feira, 23 de junho de 2011

Solaris

Por que a vida é tão sonâmbula?
E o sonho é tão vivo?
Quero agarrar cada momento bom, num pulo,
Pelos cabelos
Persigo eternamente respostas palatáveis
Viro o mundo atrás dos seus modelos

Toma-me o destino num só gole
Não quero lembrança, quero festa de sentidos
Quero acordar todo dia e ver e ouvir seu nome
No vento

Quero estar consigo quando for descoberta
Mantenedora das estrelas, ampla, sinestésica
Entre flores e canhões
Entre forma e exegese
O universo cabendo em sua íris
E lhe cabendo reescrever o ethos
De ser a última fronteira do mistério
A filha de Eros, exposta contra a luz,
Contra tudo o que lhe for excesso
Em seu gênio de ares expansivos
Colisões inevitáveis
E delírios

Procuro a mim mesmo
Através da antimatéria
Me descubro pelo que não sou. Não sou você?
Sou eu?
Antítese...
Irresoluto entre beijos alheios
Viro o rosto contra a cama, ninguém me vê
Distorço as formas originais de me criar
E me torno montagem, teatro de juventude
(Já estou velho e ranzinza por dentro)

Não, não é uma fase, não é um drama!
Se quase te acho se me acho no espelho
Me acho? Te acho... Me perco.
Descarrego um arsenal de metonímias
Distribuo uma dezena de carinhos
Me livro dos sorrisos reservados
Cansados da sua ausência perene
Toco fogo em todos os roteiros
E me atenho à nossa mise-en-scène...

0 comentários :

Manifeste-se!


Sobre o blog...

Vivo com Chronos uma relação de contemplação e medo, e à hora de matá-lo minhas mãos balançam: hesito. Meu fracasso é ser menor do que todas as possibilidades, o que é a mais pura condição humana. E numa luta desesperada contra o deus (ou a favor dele?) eu lhe oferto o que ainda me resta... Porque o tempo quer tudo, mas eu só tenho palavras.

Seguidores...

Sobre a dúvida...

"É-nos impossível saber com segurança se Deus existe ou não existe. Por isso, só nos resta apostar. Se apostarmos que Deus não existe e ele existir, adeus vida eterna, alô, danação! Se apostarmos que Deus existe e ele não existir, não faz a menor diferença, ficamos num zero a zero metafísico." - Albert Camus

  © Blogger templates The Professional Template by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP