quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Arena.

Desejo
O grito no teatro de arena
Ninguém ouve... Platéia
Ausente
Houve apenas a voz do ator
Buscando voar
Fogo! Fogo nos olhos
Fogo nas mãos
Chuva de fogos estrelados
E de granizos-estrela
O corpo-ebulição... Deixa queimar
Deixa-me ver o que tem na tua alma
Deixa, pelo amor de nós
Que ainda se ouve ao longe (houve?)
Talvez... Não sei de onde
Essa água que inunda o meu cenário
Se faz além da métrica
Além da lírica presença
A vejo adensar, se me deito
É um dilúvio de dilemas
Uma ansiedade aterradora
Que é muito maior do que o céu
Mas cabe no meu peito
O teatro me acompanha
Percorro as suas fileiras
Em ritmo crescente
Faço curvas, me perco
Quero que entendam o meu papel
Porque preciso entendê-lo
Nunca sei onde estou: sonho? Mundo?
Crucifixos de cabelo, mãos sujas de sangue
Tudo vejo e nada me vê
Veja-me, pelo amor de nós
É deserto o tempo da vida
É gelado o meu caminho... Ponha-se fogo!
Fogo nos olhos
Fogo nas mãos
Chuva de fogos estrelados
Eu quero viver
Pra ver o circo em chamas
Eu quero saber o que tem na tua alma
Então deixa
Que seja feita a nossa vontade
Deixa a vida desabar... Com pressa
Ou com calma
Deixa queimar.

1 comentário :

Luiz Alberto Machado 4 de fevereiro de 2011 18:06  

Tudo muito bom por aqui, parabens. Indicarei nas minhas páginas, aguarde.
Abração
www.luizalbertomachado.com.br

Manifeste-se!


Sobre o blog...

Vivo com Chronos uma relação de contemplação e medo, e à hora de matá-lo minhas mãos balançam: hesito. Meu fracasso é ser menor do que todas as possibilidades, o que é a mais pura condição humana. E numa luta desesperada contra o deus (ou a favor dele?) eu lhe oferto o que ainda me resta... Porque o tempo quer tudo, mas eu só tenho palavras.

Seguidores...

Sobre a dúvida...

"É-nos impossível saber com segurança se Deus existe ou não existe. Por isso, só nos resta apostar. Se apostarmos que Deus não existe e ele existir, adeus vida eterna, alô, danação! Se apostarmos que Deus existe e ele não existir, não faz a menor diferença, ficamos num zero a zero metafísico." - Albert Camus

  © Blogger templates The Professional Template by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP