domingo, 29 de abril de 2007

O acaso em que eu te descubra...

Absurdo seria ir embora,
Sem execrar você por toda a culpa.
E morrer de repente, ou em má hora,
Sem Perturbar-lhe por todo o remorso!

Eu, que me escondo em bancas de jornais,
E tento, ao leo, passar na tua frente.
Eu me disfarço de inconveniente,
Eu me divirto em poesia e prosa!

Para fazer com que me percebesse
Já procurei enriquecer no jogo;
Ser voluntário das nações unidas...
Pesquisei suas flores favoritas,
Descobri o nome do seu cachorro.

Descubra o rosto que lhe dei chorando!
E as esperanças que lhe dei sorrindo...
Já me vesti até de ilusionista,
Mas não a vi por trás dos meus espelhos...

Absurdo seria ir embora,
Sem execrar você por toda a culpa.
E morrer de repente, ou em má hora,
Sem Perturbar-lhe por todo o remorso!

0 comentários :

Manifeste-se!


Sobre o blog...

Vivo com Chronos uma relação de contemplação e medo, e à hora de matá-lo minhas mãos balançam: hesito. Meu fracasso é ser menor do que todas as possibilidades, o que é a mais pura condição humana. E numa luta desesperada contra o deus (ou a favor dele?) eu lhe oferto o que ainda me resta... Porque o tempo quer tudo, mas eu só tenho palavras.

Seguidores...

Sobre a dúvida...

"É-nos impossível saber com segurança se Deus existe ou não existe. Por isso, só nos resta apostar. Se apostarmos que Deus não existe e ele existir, adeus vida eterna, alô, danação! Se apostarmos que Deus existe e ele não existir, não faz a menor diferença, ficamos num zero a zero metafísico." - Albert Camus

  © Blogger templates The Professional Template by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP